Aves, bovinos e combustíveis ajudam a acelerar o IPA em dezembro

Você está aqui:
Os principais responsáveis pela aceleração do grupo foram os itens aves (-6,16% para 1,64%), café em grão (-9,81% para 7,45%) e milho em grão (2,34% para 5,93%). (Imagem: Patrizio Martorana, SXC) Os principais responsáveis pela aceleração do grupo foram os itens aves (-6,16% para 1,64%), café em grão (-9,81% para 7,45%) e milho em grão (2,34% para 5,93%). (Imagem: Patrizio Martorana, SXC)

30/12/2013

Na passagem de novembro para dezembro, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), divulgado nesta sexta-feira, 27, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), avançou de 0,17% para 0,63%. Houve aceleração nas variações relativas às três etapas da cadeia produtiva.

Contribuiu para o resultado do IPA o forte acréscimo do indicador de Matérias-Primas Brutas, que passou de 0,60% para 1,25% no período. Os principais responsáveis pela aceleração do grupo foram os itens aves (-6,16% para 1,64%), café em grão (-9,81% para 7,45%) e milho em grão (2,34% para 5,93%).

O índice referente a Bens Intermediários dentro do IPA subiu de -0,06% para 0,53%. O principal responsável pelo movimento foi o subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, cuja variação passou de 0,08% para 2,99%. O índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, variou 0,17% ante -0,08% em novembro.

O índice relativo a Bens Finais subiu de 0,02% em novembro para 0,17% em dezembro. A aceleração foi impulsionada pelo subgrupo combustíveis, cuja taxa de variação passou de 0,24% para 2,61%. Excluindo-se os subgrupos alimentos in natura e combustíveis, o índice de Bens Finais (ex) registrou variação de 0,44%. Em novembro, a taxa foi de 0,28%.

A principais influências positivas no IPA de dezembro foram exercidas por óleo diesel (de estabilidade para 5,60%), soja em grão (2,53% para 2,20%), milho em grão (2,34% para 5,93%), bovinos (0,75% para 1,77%) e carne bovina (0,91% para 3,41%).

Já as maiores influências negativas foram feijão em grão (-2,73% para -15,95%), leite in natura (0,76% para -2,87%), ovos (-8,86% para -6,73%), querosene de aviação (0,29% para -6,99%) e leite industrializado (-2,82% para -5,41%).

Fonte: Agência Estado