Celulose de fibra curta tem reajuste em dezembro

Você está aqui:
Imagem retirada de http://www.quimica.com.br/pquimica/papel-e-celulose/papel-e-celulose-alta-competitividade-faz-produto-nacional-ganhar-espaco-na-crise/ Imagem retirada de http://www.quimica.com.br/pquimica/papel-e-celulose/papel-e-celulose-alta-competitividade-faz-produto-nacional-ganhar-espaco-na-crise/

26/11/2013

Depois de uma intensa queda de braços entre produtores de celulose de fibra curta e consumidores, os preços da matéria-prima devem voltar a subir em dezembro, na esteira da retomada do consumo na Europa e da aceleração das vendas à China. Os índices de preço ainda indicam que a tonelada da fibra curta é negociada perto de US$ 770 no mercado europeu, abaixo, portanto, dos US$ 800 por tonelada fixados em setembro. Porém, com o provável reajuste, as cotações refletidas nos índices calculados por consultorias internacionais deverão voltar a esse patamar entre dezembro e janeiro.

A expectativa de aumento também deve-se ao início de operação de duas novas fábricas em 2014 - serão 2,8 milhões de toneladas por ano a mais, de Suzano Papel e Celulose e de Montes del Plata, em um mercado que ainda está absorvendo 1,5 milhão de toneladas por ano da primeira fábrica da Eldorado Brasil. Com a colocação do volume adicional, a tendência é  de recuo nas cotações da matéria-prima - portanto, é natural que os produtores busquem reajustes antes da chegada da celulose adicional.

Na segunda semana de novembro, os preços da celulose de fibra curta na Europa e na China mostraram comportamentos opostos, ao mesmo tempo em que cresceu a expectativa em relação aos números de venda global da matéria-prima em outubro, dado que pode servir como "condutor decisivo na determinação da direção (ou nivelamento) dos movimentos de preço em dezembro", segundo a consultoria finlandesa Foex.

No mercado europeu, conforme a Foex, alguma melhora na encomenda de papel gráfico e papéis especiais em outubro deram suporte às compras de celulose, cujos estoques permaneceram baixos. Em outras partes do mundo, contudo, volumes de entrega equivalentes a 104% da capacidade instalada podem indicar que os estoques junto aos consumidores aumentaram.

Fonte: Celulose Online, Valor Econômico