Fevereiro registra exportações de US$ 9,008 bilhões

Você está aqui:
Steven Goodwin, SXC Steven Goodwin, SXC

23/02/2015

As exportações brasileiras, na terceira semana de fevereiro (16 a 22), com cinco dias úteis, foram de US$ 1,859 bilhão (média diária de US$ 619,7 milhões). O resultado está 13,3% inferior à média de US$ 714,9 milhões, verificada até a segunda semana do mês. Neste comparativo, houve retração nas exportações de produtos semimanufaturados (-15,6%), em razão de açúcar em bruto, ouro em forma semimanufaturada, couros e peles, e ferro-ligas. Caíram também as vendas de produtos básicos (-13,6%), por conta de petróleo em bruto, café em grão, algodão em bruto, farelo de soja, carne suína e milho em grãos. Para os manufaturados (-10,6%), a queda se explica, principalmente, pelos recuos nos embarques de óleos combustíveis, aviões, polímeros plásticos, máquinas para terraplanagem, veículos de carga, e motores e geradores.

As importações, no período, contabilizaram US$ 2,435 bilhões, com desempenho médio diário de US$ 811,7 milhões. Houve retração de 2,8% sobre a média observada até a segunda semana (US$ 835,2 milhões), que se explica, principalmente, pela diminuição nos gastos com combustíveis e lubrificantes, químicos orgânicos e inorgânicos, adubos e fertilizantes, instrumentos de ótica e precisão e farmacêuticos.

Na terceira semana de fevereiro, o saldo comercial ficou deficitário em US$ 576 milhões, com desempenho médio diário negativo de US$ 192 milhões, e a corrente de comércio somou US$ 4,294 bilhões, com resultado médio por dia útil de US$ 1,431 bilhão.

Mês

Nos 13 dias úteis de fevereiro, as exportações foram de US$ 9,008 bilhões, com média diária de US$ 692,9 milhões. Pela média, houve redução de 13% em relação a fevereiro de 2014 (US$ 796,7 milhões). Houve queda nas três categorias de produtos. Nos básicos (-19,4%), por conta, principalmente, de soja em grão, minério de ferro, carne bovina e suína, e minério de cobre. Entre os manufaturados (-8,1%), por conta de polímeros plásticos, máquinas para terraplanagem, motores e geradores, óxidos e hidróxidos de alumínio, motores para veículos, açúcar refinado e autopeças. Nos semimanufaturados (-1,3%), por conta de açúcar em bruto, semimanufaturados de ferro/aço, ferro-ligas, couros e peles, e ferro fundido.

Na comparação com o resultado diário do mês de janeiro passado (US$ 652,6 milhões), as exportações aumentaram 6,2%, com crescimento nas vendas de produtos manufaturados (18,3%) e básicos (3,8%), enquanto decresceram as de semimanufaturados (-9,6%).

As aquisições no exterior, em fevereiro, estão em US$ 10,787 bilhões, com média diária de US$ 829,8 milhões. O resultado está 8,1% abaixo da média de fevereiro do ano passado (US$ 903,1 milhões), com baixa, principalmente, nos gastos com farmacêuticos (-24,8%), borracha e obras (-18,4%), veículos automóveis e partes (-16,9%), instrumentos de ótica e precisão (-16,6%), combustíveis e lubrificantes (-16,1%), químicos orgânicos e inorgânicos (-13,8%), e equipamentos mecânicos (-13,3%).

Sobre o resultado verificado em janeiro passado (US$ 803,7 milhões), houve incremento de 3,2% nas importações, ocasionada, principalmente, por aumento nas compras de combustíveis e lubrificantes (39,6%), adubos e fertilizantes (21,7%), veículos automóveis e partes (12,9%), aparelhos eletroeletrônicos (7,5%) e plásticos e obras (7,1%).

A balança registra déficit no mês de US$ 2,128 bilhões (média diária negativa de US$ 106,4 milhões). A corrente de comércio, no acumulado mensal, está em US$ 19,795 bilhões, com desempenho médio diário de US$ 1,522 bilhão.

Ano

De janeiro à terceira semana de fevereiro deste ano (34 dias úteis), as vendas ao exterior somaram US$ 22,712 bilhões (média diária de US$ 668 milhões). Na comparação com a média diária do período correspondente de 2014 (US$ 727,2 milhões), as exportações decrescem 8,1%. As importações foram de US$ 27,665 bilhões, com média diária de US$ 813,7 milhões. O valor está 10,6% abaixo da média registrada no período equivalente de 2014 (US$ 909,8 milhões).

No acumulado do ano, há déficit na balança comercial de US$ 4,953 bilhões, com o resultado médio diário negativo de US$ 145,7 milhões. Nos dias correspondentes de 2014, houve déficit de US$ 6,755 bilhões, com média negativa de US$ 182,6 milhões. A corrente de comércio totaliza, em 2015, US$ 50,377 bilhões, com média diária de US$ 1,481 bilhão. O valor é 9,5% menor que a média aferida no período equivalente do ano passado (US$ 1,636 bilhão).

Fonte: Udop, com informações de Assessoria de Comunicação Social do MDIC